Diminuir texto Ampliar texto

Missões – Sozinho ou Em Família?

por Viviane Primo
 
20 de julho de 2015
 

O importante é participar

Missões nas férias? Sozinho? Com a família? Por que não? Todos foram chamados para o resgate de vidas. Estima-se que 85 mil pessoas morrem, por dia, sem nunca terem ouvido falar de Jesus. Antes de ser resgatado, cada crente ouviu primeiro “vinde a mim” (Mateus 11:28), e após a salvação, a palavra da ordem é “ide” (Marcos 16:15). A salvação não é privilégio de alguns, é dádiva oferecida independente de cor, idioma, cultura, etnias ou posição social (Marcos 16:15 e Tito 2:11).
A Bíblia é direta ao afirmar que a pessoa que crer e for batizada, será salva, e a que não crer será condenada (Marcos 16:16). Missões existem para livrar pessoas da morte eterna. Portanto não crie empecilhos. Deus não poupou nem seu filho amado. Afinal, se não for você, quem irá? Se não for agora, quando será?

 

Sim, dá pra ir sozinho!

Otávio Alcântara disse sim. Ele foi às cidades de Betânia e Cauã, no sertão do Piauí, com um grupo de cerca de 450 pessoas. Segundo ele, a melhor viagem da sua vida. Piauí tem 50 municípios e 11 deles com o pior Índice de Desenvolvimento Humano – IDH do Brasil, segundo estudo realizado pela ONU. Apesar de tamanha miséria, as pessoas do sertão são generosas e repartem o pouco que tem com os estranhos, assim como a Igreja descrita em Atos 2.

“Assim é o sertão: pouquíssimos recursos financeiros, mas riquíssimos em amor e humildade. Pessoas morando em casas simples, com pouca ou nenhuma comida na panela. Um lugar onde a fome realmente existe e onde há tanta desesperança no olhar das pessoas. E nesse cenário descobri o que é o evangelho de fato e o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crer. Além de levarmos alimentos e palavras de carinho, levamos curas físicas e um alimento eterno, que mudou a eternidade de muitas vidas. É muito gratificante ser usado para mudar a realidade de alguém tão distante e que não tem nada. Viver tudo isso me fez amar as pessoas ainda mais e me trouxe a clareza de que podemos viver igreja, igual aos apóstolos de Cristo. Eu indico para qualquer pessoa da igreja fazer uma viagem missionária, seja sozinho, com amigos ou em família, pois mais sertanejos clamam por essa verdade. E como ouvirão se não há quem pregue? Não temos o direito de dizer não a eles, pois Deus não fez isso”.

 

Sim, dá pra ir com a família!

Antônio Carlos Santana de Oliveira, de 47 anos, também compartilha a experiência, porém em família. Casado com Angélica e pai de dois filhos: João Pedro (13 anos) e Luiza (11 anos), Antônio e o filho João resolveram ir à viagem missionária para Anagé em janeiro, durante as férias. Segundo ele, em função do trabalho de Angélica, ela não pode ir e ficou com a Luiza. No entanto, ambas apoiaram a viagem, admiraram a decisão e se envolveram no projeto. Luiza também participou dos preparativos do bazar, ajudando na organização das doações.

“Quando comentei com o João sobre a viagem e perguntei se ele gostaria de participar, não imaginava a alegria e o entusiasmo dele. Era preciso que a vontade do João de ir à Anagé fosse verdadeira, pois estávamos abrindo mão das férias por missões. Viver essa experiência e esse tempo com meu filho foi muito gratificante. Nosso companheirismo cresceu ainda mais e pudemos desenvolver atitudes de amor entre pai e filho. Confidências, confiança, responsabilidade, exemplo, obediência, serviço, etc”, compartilha Antônio.

Ele conta que João pode testemunhar milagres no meio daquele povo sofrido e ficava muito satisfeito quando as pessoas visitadas durante o dia compareciam aos eventos à noite e aceitavam a Cristo sem hesitar. “Seu coração se enchia de alegria e eu podia ver em seus olhos a emoção. Agradecemos a Deus essa oportunidade. Sem dúvida recomendamos a quem quiser ir com a família. Aqui em casa esperamos mesmo uma nova oportunidade em que possamos ir todos juntos, os quatro. Quem sabe em Janeiro próximo?”.